Imagem capa - FOTOGRAFIA A 1.000 (DIA 2) por Alberth
Bate Papo

FOTOGRAFIA A 1.000 (DIA 2)


"Fotografia a 1.000" é uma série sobre uma viagem de três dias pelo interior do Rio Grande do Norte que realizei com mais dois amigos. É imprescindível que você leia os posts a seguir para compreender a história:


- FOTOGRAFIA A 1.000 (O COMEÇO)

- FOTOGRAFIA A 1.000 (DIA 1)



No último post contei de nossa jornada desde a madrugada até a chegada em Serra Negra do Norte próximo ao pôr do sol. Agora conto tudo o que fizemos no dia seguinte, desde a passagem rápida pela Paraíba até nossa chegada na praia de Ponta do Mel, onde registramos o nascer do sol mais bonito que já vimos e que com certeza você também se encantará.




Depois de uma boa dormida e um café da manhã farto, descemos novamente para a pracinha da igreja, dessa vez para fotografar. Para mim, a igreja de Nossa Senhora Do Ó é uma das mais belas do RN e tenho vontade de fotografá-la desde que comecei nesse ramo. Por trás da igreja tem um parque de vaquejada, fomos lá só para ver e, coincidentemente, acontecia ali um treino (soube depois que se chama passada), fizemos alguns registros dos vaqueiros derrubando os bois, como você pode ver abaixo.



Igreja de Nossa Senhora Do Ó - Serra Negra do Norte/RN
Foto: Alberth Klinsmann



Passada/Treino de vaquejada - Serra Negra do Norte/RN
Foto: Alberth Klinsmann



Passada/Treino de vaquejada - Serra Negra do Norte/RN
Foto: Alberth Klinsmann



Passada/Treino de vaquejada - Serra Negra do Norte/RN
Foto: Alberth Klinsmann


Com muita vontade de ficar, tivemos que deixar Serra Negra. Pegamos a estrada em direção a São Bento, na Paraíba, conhecida também como a Capital Mundial das Redes. Estrada essa que me surpreendeu, a RN e a PB 427 estão um verdadeiro tapete, já a PB 293 de Paulista à São Bento, não posso dizer o mesmo.



RN 427 - Divisa entre o Rio Grande do Norte e a Paraíba
Foto: Alberth Klinsmann


Já passava das 10h quando chegamos em São Bento, resolvemos continuar seguindo no carro em busca de algo interessante, quando nos deparamos com um monumento alto que chamou minha atenção. Fizemos a volta com o carro e encontramos uma espécie de santuário, que só depois fui saber que se tratava do “santuário da virgem dos pobres”, ponto bastante conhecido na cidade e que atrai vários religiosos.



Santuário da Virgem dos Pobres - São Bento/PB
Fotos: Alberth Klinsmann


O que me chamou atenção de cara no santuário, além da altura, foram as cores, ele está inteiramente grafitado. Segundo um morador vizinho ao local, com quem conversamos, foi um artista da própria cidade de São Bento que fez aquela arte, fazendo com que o lugar atraísse ainda mais visitantes. O morador também nos recomendou visitar a praça dos redeiros, pois lá teria a Igreja Matriz de São Sebastião e o letreiro “Eu ❤️ São Bento” (que não tinha nada demais 😂).


Matriz de São Sebastião - São Bento/PB
Foto: Alberth Klinsmann


Matriz de São Sebastião - São Bento/PB
Foto: Alberth Klinsmann


Depois de andar pela praça e fazer alguns registros da igreja e do local, precisávamos partir, pois, combinamos de almoçar em Jardim de Piranhas, cidade da nossa colega, e também fotógrafa, Jéssica Saraiva. Pegamos a PB 110 e depois a PB 323 até chegar em Jardim, e lá fomos direto para igreja da cidade, a matriz de Nossa Senhora dos Aflitos, que é muito bela, por sinal. Depois fizemos uma pequena pausa na casa da Jéssica para bater um papo e tomar uma água, indo almoçar num restaurante ali do lado.


Matriz de Nossa Senhora dos Aflitos - Jardim de Piranhas/RN
Foto: Alberth Klinsmann


Olha, nesta trajetória toda passamos muito calor, essa época de fim de ano por aqui é quente demais, mas Jardim de Piranhas se superou, estávamos “cozinhando vivos”. Não teve protetor solar fator 50 que impedisse do meu rosto ficar vermelho. O termômetro marcava seus 36 graus mas a sensação era de bem mais.


Previsão do tempo marcava 36 graus, mas com sensação de 38


Após o almoço, a Jéssica nos levou até uma parte onde passa o Rio Piranhas, o lugar era muito bonito, vimos possibilidades de fotos artísticas a todo momento, mas era por volta de 13h, e o sol estava tão forte, mas tão forte, que mal conseguimos ver as fotos no visor da câmera, a vontade mesmo era de ficar no carro com o ar condicionado no máximo 😂. Mas ainda assim deu para fazer alguns registros.


Rio Piranhas - Jardim de Piranhas/RN
Foto: Alberth Klinsmann


Precisávamos ir, decidimos ali que passaríamos a noite em Ponta do Mel, praia muito bonita que pertence ao município de Areia Branca, que fica a mais ou menos 240 km dali. Então seguimos estrada, passamos rapidamente por Caicó para comprar água, passar na farmácia e sacar dinheiro, pois nunca se sabe se são todos os lugares que vão aceitar cartão, não é?


De Caicó seguimos na RN 118 em direção a Jucurutu, e olha, mais uma estrada que estava um tapete, parecia recém recapeada. Precisávamos parar para documentar.


RN 118 - Caicó/RN
Foto: Alberth Klinsmann


Passamos direto por Jucurutu, depois Assu, enquanto fazíamos contato com nosso amigo e fotógrafo Renan Morais. Renan mora em Carnaubais e estava trabalhando em uma estação da Petrobras nas proximidades da cidade, decidimos ir até lá para vê-lo.


Mais alguns quilômetros percorridos e chegamos até a estação da Petrobras em que o Renan trabalha, e a frase que marcou foi a que ele disse assim que eu desci do carro “Nossa, como você é alto” 😂. Já conhecia o Renan pela internet há pelo menos 1 ano, e não tinha tido oportunidade de vê-lo pessoalmente, pois, toda vida que ele vem a Natal, a gente nunca consegue se encontrar. Mas ainda bem que dessa vez deu certo, tive que ir até Carnaubais, mas deu.


 Carroceiro na estrada próxima ao município de Assu/RN
Foto: Alberth Klinsmann


Renan nos deu dicas importantes, nós íamos seguir por Carnaubais e pegar a RN 404 passando por Porto do Mangue, mas ele nos informou que além da estrada está bem esburacada, ali é uma região de muitas dunas, e no decorrer do dia elas vão se movendo e havia um grande risco de chegar em uma parte da estrada que poderia estar interditada e termos que voltar. Para não correr esse risco, seguimos sua dica e pegamos a RN 016, também conhecida por Rota da Castanha.


A essa hora já estávamos preocupados com o pôr do sol, pensamos que não iríamos ter onde registrar, mas na própria Rota da Castanha, Raniere, com seu olhar de águia, viu de longe uma bomba de sucção, também conhecida por aqui como “cavalo de extração de petróleo”. E foi ali mesmo, encostamos o carro, tiramos as câmeras, buscamos uma composição e o resultado é este que você vê abaixo.


Pôr do Sol na Rota da Castanha, próximo à Areia Branca/RN
Foto: Alberth Klinsmann


Pôr do sol registrado, seguimos até chegar em Ponta do Mel. Já tinha feito a reserva da pousada pelo celular enquanto almoçávamos em Jardim de Piranhas. Só chegamos, fizemos o check-in e fomos descansar um pouco. Muitas fotos, muitas mensagens e um detalhe, tínhamos que aproveitar o Wi-Fi da pousada, pois, em Ponta do Mel não funciona rede de celular, muito menos internet móvel (pelo menos de nossas operadoras).

Depois saímos para jantar em um restaurante local, mas não demoramos muito, quisemos aproveitar o resto da noite para fazer contato com os amigos, família, namoradas, editar algumas fotos para publicar e definir onde iríamos registrar o amanhecer. Raniere, que já conhecia a região, sugeriu irmos ao local onde foi gravado o filme “Maria, mãe de Jesus”, e concordamos.




O segundo dia termina por aqui, o restante desta história você confere aqui neste blog na próxima semana. Não esqueça de assinar minha Lista VIP para saber antes de todo mundo e ainda receber conteúdos bacanas sobre fotografia, comunicação e marketing.


Clique aqui para ler sobre o 1º dia da viagem;

Clique aqui para ler o post introdutório da “Fotografia a 1.000”




INSCREVA-SE NA LISTA VIP PARA RECEBER O MELHOR CONTEÚDO NO SEU E-MAIL

* itens obrigatórios